sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Levítico ainda vale ou não? Ou só algumas coisas de Levítico?


5 comentários:

  1. É meu caro, eu não como porco de maneira nenhuma!
    Nem baconzitos o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Baconzitos não tem carne de porco. É puro farelo de milho com aroma artificial. Tá liberado...

      Excluir
    2. Para se conseguir o "sabor artificial", é preciso, no mínimo, um pouco de gordura.
      Se tem gordura suína. dispensado.

      Também o porco, porque tem unhas fendidas, e a fenda das unhas se divide em duas, mas não rumina; este vos será imundo.
      [e diz também:]
      Das suas carnes não comereis, NEM TOCAREIS NOS SEUS CADÁVERES; estes vos serão imundos. Levítico 11:7-8

      Excluir
    3. Não tem gordura no sabor artificial. Se é artificial, é sintético. Feito em laboratório. Nenhum porco se envolveu na produção.
      Jesus disse que aboliu a Lei e também disse que o que contamina o homem é o que sai da boca, não o que entra.
      Nem camarão você come? Nem peixe sem escama?
      Você é adventista? Guarda o sábado também?

      Excluir
  2. "Jesus disse que aboliu a lei"
    - Mateus: 5. 17. Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir. 18. Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só jota ou um só til, até que tudo seja cumprido.

    "E também disse que o que contamina o homem é o que sai da boca"
    - Mateus: 15. 18. Mas o que sai da boca procede do coração; e é isso o que contamina o homem. 20. São estas as coisas que contaminam o homem; mas o comer sem lavar as mãos, isso não o contamina.
    - Agora pergunto: Jesus aqui fala comer ''porco'' [ou qualquer outra carne imunda], ou sobre LAVAR AS MAOS?

    Não, não como camarão, nem peixe sem escama, nem qualquer outro fruto do mar, sou adventista, e guardo o Sábado do Senhor.

    ResponderExcluir

Regras de uso:
1) Desde que não tenha palavrões, ofensas ou propagandas, nenhum comentário será apagado;
2) Diga primeiramente qual fé religiosa você professa (ateu, agnóstico, católico, evangélico, budista, judeu, muçulmano, etc) para facilitar a interpretação do seu texto;
3) Tente manter a discussão no nível das ideias. O objetivo é compreender (não necessariamente aceitar);
4) Obrigado por participar!