segunda-feira, 24 de novembro de 2014

O Cruzeiro Tetracampeão brasileiro e seu proselitismo religioso


Sou cruzeirense, mas isso não me impede de notar um comportamento repreensível no goleiro Fábio e que de certa forma "contaminou" toda a equipe do Cruzeiro (e também parte da torcida): seu proselitismo religioso.

Fábio é evangélico. Tudo bem, que cada um fique com sua fé. O problema é quando ele atribui a deus todas as suas conquistas. E faz isso na TV, uma concessão pública de um Estado que se diz laico.


Adorar divindades, sejam elas quais forem, é algo garantido na Declaração dos Direitos Universais do Homem. Mas usar uma final de campeonato para fazer marketing espiritual me soa muito com proselitismo religioso.

Mulheres de jogadores fazem do Cruzeiro o 'time de Deus'

Tenho preguiça imensa desse marketing evangelizador. Me soa forçado e falso. Respeito todas as religiões, mas exageros não devem ser aplaudidos. Manifestações de cunho religioso tem locais adequados para acontecer. E, definitivamente, uma bandeira, feita com apoio de torcida organizada, no meio da torcida, ultrapassa todos os limites. É uma falta de consideração às diferenças, como se essa devoção fosse unanime.

Enquanto criancinhas morrem na África, deus está mais preocupado em atender pedidos de jogadores de futebol por títulos. Já que a glória do título é toda de deus, os jogadores podiam aproveitar e doar a grana que receberam como premiação para a caridade. Jesus aprovaria! Fica parecendo que os 19 times que perderam o campeonato fizeram tratativas escusas com o capiroto...

Deve ter sido uma decisão difícil pra deus: Fábio no Cruzeiro e Kaká no São Paulo. Mas aí o Kaká se divorciou. Bem feito! Ficou em segundo. Castigo de deus!

A lógica do Fábio deveria ser: "defendi o gol = obrigado deus. Tomei gol = pôrra, deus!"

Perguntas que gostaria de fazer ao Fábio:
Se quem ganha glorifica a deus, quem perde deve glorificar a quem?
Se a glória é de deus, então por que se matam de tanto treinar?
Aonde deus estava quando ele levou 2 gols quarta-feira passada?

É por isso que o Fábio não vai pra Seleção Brasileira:
Fifa repreende comemoração religiosa do Brasil na África



Leia mais:
Camisas religiosas no futebol: fé ou proselitismo?

Deus e o resultado de um jogo de futebol (Pedro Blank no blog de Chico Maia)


terça-feira, 4 de novembro de 2014